ALGUMAS PROPOSTAS PARA AJUDAR NA PROTEÇÃO AMBIENTAL, SEM ALTERAR SEU MODO DE VIDA

 

  1. Por menor que seja o tamanho do lixo, não o jogue na rua. Guarde-o para jogá-lo no primeiro cesto que encontrar. Isso demonstra educação, conscientização ambiental e respeito ao próximo, e ajuda a evitar entupimento de tubulações subterrâneas.
  2. Ao comprar qualquer coisa, verifique se há, mesmo, necessidade de levar a sacola plástica. Normalmente você vai jogá-la no lixo logo em seguida, se ela for de pequeno tamanho.
  3. Não deixe a torneira aberta desnecessariamente ao escovar os dentes, lavar o rosto e as mãos, fazer a barba, tomar banho e lavar A louça ou qualquer outra coisa (principalmente carros).
  4. Deixe o máximo de área de seu imóvel urbano sem impermeabilização do solo, plantando árvores e fazendo jardins, permitindo, assim, a infiltração da água e ajudando a evitar enchentes (elas trazem prejuízos materiais aos particulares e à administração pública, além de causar transtornos e doenças).
  5. Implante no seu condomínio a coleta seletiva de lixo. Veja o que é reciclável e separe tudo numa sacola de supermercado. Com isso, você ajuda a preservar recursos ambientais, proporciona receita extraordinária e economia de sacos de lixo para seu condomínio, além de reduzir as despesas da administração pública com transporte do lixo, construção e operação de aterros sanitários. Normalmente, jogamos dezenas de objetos no lixo, todos os dias, que poderiam ter seus materiais reciclados: embalagens plásticas de vários produtos, papel e papelão (por exemplo: caixas de remédios, de filme para fotos, panfletos, jornais, revistas etc.). Embora pareçam, isoladamente, insignificantes, quando os juntamos a outros objetos da mesma espécie (de outros apartamentos e de outros prédios), percebemos o significado dessa atitude. Pense grande: imagine a quantidade de condomínios do Brasil separando, cada um, 1 kg de plástico por dia. E também de outros materiais recicláveis. Se você não mora em condomínio, também pode fazer a mesma coisa.
  6. Não queime sem necessidade. Antes de atear fogo a alguma coisa, verifique se não pode evitá-lo.
  7. Plante o maior número de árvores possível. Informe-se a respeito daquelas que são adequadas para sua região, que não atraiam espécies indesejadas da fauna e sejam de fácil manejo.
  8. Não compre e não estimule a compra de produtos que gerem degradação ambiental ou colaborem com a extinção de espécies.
  9. Não exagere na iluminação elétrica, deixando luzes acesas sem necessidade porque não a está usando ou porque acendeu mais do que precisava. Faça um teste: tente desenvolver sua atividade sem acender a luz. Você pode descobrir que não precisava da luz e vai constatar que essa situação proporciona maior tranquilidade e conforto.
  10. Exija ser informado a respeito do produto que está adquirindo e a relação do lixo que gerará no meio ambiente. É abusiva, dentre outras, a publicidade que desrespeita valores ambientais e, assim, é proibida (art. 37, § 1º, do Código de Defesa do Consumidor). Verificando ocorrência desse tipo de publicidade, comunique o Promotor de Justiça do Consumidor de sua comarca. São nulas as cláusulas contratuais que infrinjam ou possibilitem a violação de normas ambientais (art. 51, XIV, do Código de Defesa do Consumidor).
  11. Finalmente, se você perceber alguém fazendo qualquer coisa nociva ao meio ambiente procure orientá-lo e, não conseguindo sua adesão, ajude a minimizar o impacto negativo para o meio ambiente. Você será um dos destinatários da poluição, com certeza!
  12. Fumaça preta em veículos e empresas poluidoras: denuncie à CETESB pelo telefone 0800 11 35 60. Ela vai notificar o proprietário para regular o motor do veículo e regularizar o lançamento de poluição. Não sendo atendida, irá multá-lo.
  13. Denuncie aos órgãos competentes e ao Ministério Público toda forma de degradação que encontrar. Isso é exercício de cidadania e ajudará a proteger o meio ambiente, permitindo que seus descendentes tenham sadia qualidade de vida.